segunda-feira, março 26, 2007

A Filosofia se diz de diversos modos, mas nenhum modo diz o que é a Filosofia. Por ser o conhecimento em exercício, a Filosofia é o exercício do conhecimento em sua inesgotabilidade: o objeto do conhecimento é sempre infinito, enquato o sujeito do conhecimento, finito.
Assim, saber, em um sentido filosófico, é assumir a finitude do conhecedor frente ao objeto inexcedível do conhecimento; de modo que, saber propriamente, é saber que não se sabe, definitivamente, nada; pois, do contrário, uma vez alcançado o conhecimento, nenhuma área do saber seria necessária.
Mário Tavares
A filosofia não é a verdade em si, é a busca pela verdade.A filosofia nunca está "satisfeita", está sempre em busca de novos conhecimentos.Não existe modo certo ou errado da filosofia interpretar nossa suposta realidade, há maneiras diferentes de nos qustionarmos sobre o mundo à nossa volta.A filosofia é um caminho que nunca se preocupa com o fim que não possui.Como somos seres pensantes, devemos nos negar a chegar num ponto final, e essa é exatamente a idéia da filosofia, sempre buscar algo mais, respondendo perguntas com novas perguntas, nos impedindo de chegar a um ponto final.Todos os filósofos concordam que a filosofia é um caminho de perguntas, e não a busca pela resposta, e esse caminho não tem fim.Como seres humanos, não somos capazes de saber tudo com certeza absoluta, mas não podemos deixar de buscar as respostas por conta disso.
Julia, Lorena Chirol e Gabriel.



O que é a filosofia senão um modo de refletir, não tanto sobre aquilo que é verdadeiro e aquilo que é falso, mas sobre a nossa relação com a verdade? (...) Não há nenhuma filosofia soberana, é verdade, mas há uma filosofia ou, melhor, há filosofia em atividade. A filosofia é o movimento pelo qual nos libertamos - com esforços, hesitações, sonhos e ilusões - daquilo que passa por verdadeiro, a fim de buscar outras regras do jogo. A filosofia é o deslocamento e a transformação das molduras de pensamento, a modificação dos valores estabelecidos, e todo o trabalho que se faz para pensar diversamente, para fazer diversamente, para tornar-se outro do que se é (...)."



Michel Foucault
(Michel Foucault (Poitiers, 15 de outubro de 1926Paris, 26 de junho de 1984) foi um filósofo e professor da cátedra de História dos Sistemas de Pensamento no Collège de France desde 1970 a 1984.)

Pensar o que é filosofia e essa sentença, como uma "representante" de um pensamento filosófico é apenas um ato imperativo à nós mesmos "Vamos pensar...", foi a primeira coisa que pensamos ao fazer o trabalho, logo pensamos em pensar... pensar em pensar é filosofia, pois é o caminho para chegar à uma conclusão, e esse caminho é filosofia. Partimos então de um ponto e voltamos ao mesmo, em uma forma cíclica.Como pensar em saber o que não se sabe? Como é pensar em filosofia, logo como é pensar em pensar em pensar em algo?Filosofia é um ciclo de pensamentos, atravéz de sentimentos e conhecimentos desconhecidos, mas ao mesmo tempo uma análise do que não sabe.Tentar entender essa sentença sobre filosofia sem saber exatamente o que é... repetitivo o não... filosofia.. é entender nossa falta de entendimento sobre tal assunto, tentando chegar à uma conclusão sobre o que pode significar a partir do nosso conhecimento.O autor faz uma relação de falso e verdadeiro, dizendo que em filosofia até a não-verdade é analisada, e que o mito não necessariamente é uma "mentira" e sim uma forma de explicar a verdade.Conclui-se então que a verdade que hoje temos, através do que nos é dito, pode ser contestada por nós mesmos através dos pensamentos, através então de filosofia.O nosso medo como comentadoras de filosofia, é essa forma de avaliação que estamos sendo induzidos. O nosso medo não é o não saber o que é filosofia, como leigos nesse assunto, mas estamos sendo avaliados por pensamentos em desenvolvimento, ainda confusos, e talvez redundantes.
Adriana, Ticiana e Natália Said


A filosofia não tem verdade, não existe o certo e o errado, cada pessoa interpreta a sua verdade de um modo diferente, de um ponto de vista diferente. O que é certo para uma pessoa hoje, pode ser errado para a mesma amanhã. Quando se estabelece uma definição, logo essa se torna um novo questionamento. Cada dia que passa criam-se mais perguntas e nunca encontram uma resposta final.
Gabriela, Lorena Regis e Louise


"Somos algo e não tudo (...) incapazes de conhecer com segurança e de ignorar totalmente."


Blaise Pascal


(Blaise Pascal (Clermont-Ferrand, Puy-de-Dôme, 19 de Junho de 1623 - Paris, 19 de Agosto de 1662) foi um filósofo, físico e matemático francês de curta existência, que como filósofo e místico criou uma das afirmações mais pronunciadas pela humanidade nos séculos posteriores, O coração tem razões que a própria razão desconhece, síntese de sua doutrina filosófica: o raciocínio lógico e a emoção.)


"O que eu sou? Uma substância que pensa. O que é uma substância que pensa? Uma coisa que duvida, que concebe, que afirma, que nega, que quer, que não quer, que imagina e que sente."


René Descartes
(René Descartes (31 de Março de 1596, La Haye en Touraine, França11 de Fevereiro de 1650, Estocolmo, Suécia), também conhecido como Cartesius, foi um filósofo, um físico e matemático francês.)


"Filosofia, que palavra acertada (...) todo o nosso saber sempre permanecerá filosofia, isto é, sempre um saber apenas em progresso, cujo grau superior ou inferior devemos apenas ao nosso amor à sabedoria, isto é, à nossa liberdade."


Friedrich Von Schelling


(Friedrich Wilhelm Joseph von Schelling (Leonberg, 27 de Janeiro de 1775Bad Ragaz, 20 de Agosto de 1854) foi um filósofo alemão, um dos representantes do Idealismo alemão, assim coomo Fichte e Hegel.)




Filosofia significa estar a caminho. As interrogações são mais importantes que as respostas e cada uma destas se transforma em uma nova interrogação. (...)"



Karl Jaspers

Filosofia, é estar a caminho, ou seja, estar a procura da resposta ou seja em busca do final de um buraco sem fim .As interrogações são mais importantes que as respostas, ou seja, ja que cada vez que você fizer uma pergunta vai ser gerada outra nova, as perguntas são mais emportantes que as respostas.
Guilherme, Rodrigo e Caio
Um comentário muito breve sobre a afirmação de Karl Jaspers seria que na filosofia será sempre respondida com outra pergunta, ou seja, a filosofia é um caminho sem chegada. A filosofia é dúvida, onde o conhecimento sempre gera uma nova informação, nunca chegando ao fim, o objeto é o limite, e a filosofia nunca chega ao limite, havendo sempre outra pergunta pra aquilo. Sempre que há uma resposta tentando chegar ao fim haverá uma nova pergunta indagando aquela resposta anterior, onde tudo ainda não é nada, a ciência nunca para.
Bruno, Ian e Matheus
"Filosofia significa estar a caminho. As interrogações são mais importantes que as respostas e cada uma destas se transforma em uma nova interrogação. (...)"
Nossa opinião sobre o assunto é que : Cada pergunta tem uma resposta assim como toda resposta se transforma em uma pergunta e com isso as perguntas e respostas não vão ter fim.
Thayana, Renata, Nathália e João Pedro
Pela nossa visão, e pela visão dele, chegamos a uma conclusão que a filosofia é um "estudo", ou seja, um meio de se expressar muito abstrato...A filosofia é infinita, quando você se pergunta sobre algo nunca tem uma resposta certa, sempre vai ter mais alguma pergunta!É: pensamentos, conhecimentos, esclarecimentos, e claro, AQUELA dúvida que sempre resta e que nunca "se cala".Filosofia é saber tudo, mas ao mesmo tempo não saber nada; é ter a certeza que as coisas existem, e ao mesmo tempo se perguntar toda a hora o porquê!!!
Luiza, Laura & Janine
Sempre que acharmos uma resposta...Desta resposta se originará outra pergunta. Assim em diante, isso se torna um círculo vicioso. Pois o Homem é um ser curioso, todos tem ansia para o conhecimento.O problema destes aspectos é que talvez nossas respostas não nos levem a outra pergunta.Afinal segundo Jaspers essa é a definição de filosofia. Quando o ponto final leva à um de interrogação.E até porque as próprias perguntas são mais importantes que palavras.Porém esta ansia de aprendizado do Homem é maravilhosa,pois aqueles que querem aprender são mais valiosos aos que já sabem.Afinal, o que seria do homem sem a curiosidade, não teria se inventado o computador, o telefone.Mas pelo lado ruim também, não se teria descoberto a bomba De fissão núclear (Bomba atômica), ou a própria pólvora.Estes são os efeitos positivos ou negativos da curiosidade humana.
Bernardo Maia, Pedro Bernardo e Paulo Henrique